Mamãe corridona

Acorda cedo,esfrega os olhos o dia raiou,Acorda o filho,dá um beijinho,coloca o uniforme,lava o rosto,penteia os cabelos;hora de ir para cheche.Bebê não queria soltar a mão da mamãe,chorou,fez biquinho mas a tia logo o levou.Corre,pega o ônibus.Da janela lembra da noite anterior,dos beijos-calmantes e abraços-vai-ficar-tudo- bem.Do corpo quente ao lado,da paz da Madrugada,e das pernas jogadas por cima do companheiro.Chegou no curso dos sonhos,abriu o caderno,pensou se o filho estaria bem.Lembrou da conta atrasada,da falta de grana,do armário quase vazio e dos planos guardados em uma caixa.Acabou a aula,o caderno continua em branco,nem uma linha escrita,hoje não!

A volta pra casa,pernas andando depressa,mente girando,dobra a esquina.Busca o filho na creche,dá-lhe um beijinho,abraço apertado e corre pra casa.Hora de fazer o jantar.Desenho ligado,criança entretida,celular toca.Coração sorriu,era ele,dizia que estava com saudade mas não viria.O jantar perdeu um pouco da graça,ela irá comer e tentar achar um filme na TV.Depois de comer,filho na cama.TV ligada,mulher apagada na poltrona.

A porta bateu,a paz chegou trazendo uma flor,beijou a mulher e lamentou pelo cansaço não ter permitido a surpresa.TV foi desligada,panelas reviradas,pessoas deitadas.Um beijo na testa,cafuné na cabeça,a moça se mexeu e não acordou.Três horas da madrugada,dois corpos viraram um,não tem começo nem fim,pernas,mãos,bocas,ocupando o mesmo lugar no espaço,seres simbióticos.

Pela manhã cheiro de café.Mesa posta,preguiça e disposição expostas.Mais um dia,outro dia,novo dia;a mesma rotina.Final de semana sendo vislumbrado pra dormir até mais tarde,levar café da manhã na cama,colocar roupa bonita,dar as mãos aos dois homens da vida e ir ao parque.

Dia 01

Imagem do Google

No mês passado ela jurou que já havia sofrido o bastante por uma vida inteira,por amor,é claro.Resolveu colocar todas as lágrimas numa caixa e, junto ,todas as lembranças.Endereçou para Cochinchina e enfeitou o quarto.Abriu as cortinas e viu o que o sol permanecia cumprindo o papel de toda manhã.Mês passado ela dançou sozinha ,olhou para o espelho e jurou se amar ainda mais,jurou, principalmente ,ser mais cautelosa com seus sentimentos

No mês seguinte  ela esqueceu da noite em que dançava livremente sem culpa mas com dor,ela esqueceu da promessa de ter cuidado com ela mesma.Ser cuidadosa era tarefa difícil,atrapalhada era seu segundo nome.Era trapalhada atrás de trapalhada.Dessa vez  ela tropeçou e não caiu,um improvável a segurou.Um instante pareceu uma noite inteira,conversas de anos,um amor de meses de amor .O improvável foi mais que provado,foi observado,e aprovado entre os lábios.

Esse mês estava começando bem,o passado já estava enterrado.Soterrado.O presente como borracha apagou um rosto triste e desenhou um sorriso.Ela sorria de um jeito diferente,sorriso secreto,decifrável apenas por ele,o portador da fórmula mágica de sorrisos verdadeiros.Ele tinha a fórmula mas não a usava,seu sorriso era amarelado.O rapaz salvou a moça,mas não era capaz de salvar a própria vida.O mês passou.O rapaz passou também.A moça ficou e como uma pintura olhava para as lembranças do mês de sol.Mas,o passado é sempre intocável.E o moço da fórmula mágica jogou a paleta de cores fora.Virou a tela.Vai ver ele nunca teve jeito pra artes,tampouco queria continuar sendo guardião de fórmula alguma.

Mês que vem ela colocará um quadro pendurado no quarto.Depois de dois meses o quadro vai pra doação.Ou talvez não.